Palmas para o Noddy

 Infantis e Tv  a mais
                            Tv e Infantilidade a menos
 

“Crianças identificam-se com os super-heróis”chega a propósito das crianças que têm sempre propósito,  do natal e da televisão que faz os nossos e os seus próprios propósitos.Por que Bom Jornalismo é aquele que mais do que escrever, relatar, bem, é aquele que procura, detecta, questiona e aponta bem, certeiramente o que está bem…ou, e sobretudo o que está mal.E a nossa televisão para as nossas crianças…está bem assim? Ou vai estando…é que enquanto nós por cá vamos indo…as nossas crianças vão crescendo e se formando com a televisão que temos.

E na tradicional batalha pela junção do informar e formar junta-se o entreter os espectadores neste caso crianças que brincam cada vez menos na rua e sentam-se cada vez mais em casa em frente ao televisor, será que os pais estão atentos e conhecem bem o amigo que brinca horas seguidas com o seu filho? 

Dn.pt  17.12 .06

Entreter é a palavra de ordem na hora de ver desenhos animados. A acção adquire outra força quando as crianças entram em período de férias, como o do Natal, a partir de amanhã.Para a psicóloga Teresa Andrade, faz parte do desenvolvimento das crianças, aguça-lhes os sentidos. “Os mais novos reagem às cores fortes, à música, aos estímulos tridimensionais que os ensinam a relacionar-se com o mundo”, explica ao DN a especialista, que vê no Noddy o exemplo mais bem conseguido. “Tem bons psicólogos por detrás, é um fenómeno.”Mas nem tudo o que os miúdos vêem tem a inocência de Noddy ou voluntarismo de Ruca. Os mais velhos procuram “diversão e modelos de interpretação da realidade”. E aqui reside o perigo: “As crianças vêem TV em excesso, os pais acompanham-nas pouco, elas absorvem tudo de igual modo, sem perceber as diferenças.” E se o Panda anuncia as séries, o Cartoon Network, “a que assistem por curiosidade, por ser fruto proibido”, já não faz isso. “E tem desenhos muito violentos, como o Stupid Dog ou o Cow & Chichen“, alerta. “É preciso ter cuidado.”

Ciente dos excessos, também Rui Cádima, docente da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, defende a necessidade de investir os pais de um papel primordial no acompanhamento dos filhos enquanto espectadores.

Os tempos televisivos aceleraram nos últimos anos, a percepção e as imagens tornaram-se vertiginosas. Porém, “o que as crianças de hoje procuram é o mesmo que procuravam as crianças e jovens de antigamente, os valores são os mesmos”, defende José Navarro de Andrade, coordenador da SIC Kids – o espaço que engloba todos os conteúdos infanto-juvenis da estação de Carnaxide. E, concretiza: “Continua-se a querer heróis que sirvam de modelo, o bem definido e a ganhar ao mal, actos positivos que divirtam e, ao mesmo tempo, sirvam de referência na vida real.”

Atentas, as grelhas dos vários canais procuram responder à exigência dos públicos a que se destinam, do pré–escolar à adolescência. Diferentes nas suas especificidades e nos programas que seleccionam, acabam, todavia, por cruzar valores e estratégias de acção, temas, comportamentos e até mesmo séries e personagens.

“O facto de sermos uma estação de serviço público leva-nos a ter que dar especial atenção aos públicos jovens – a lei refere especificamente programas vocacionados para a formação, informação e bem-estar, que defendam a liberdade, a solidariedade e a compreensão. Mas tudo isso acaba por ir ao encontro do que as crianças procuram”, sustenta Teresa Paixão, responsável pelo departamento de programas infanto-juvenis da RTP, nomeadamente o espaço Zig Zag (na 2.

A coordenadora reconhece a necessidade de “uma maior dedicação aos conteúdos pré-escolares, dado que os canais privados contemplam menos esta faixa etária”. Ainda assim, diz, nada disso é impedimento. “As crianças procuram mais ou menos todas o mesmo, hoje como no passado. Faz parte do crescimento.” Até aos quatro anos buscam a tranquilidade, a beleza, o colorido, “querem figuras e ambientes amorosos, calmos, musicais”. Depois surge a procura da aventura, de uma certa irreverência, do humor.

“É natural que haja coisas que passem de moda, séries que caiam para dar lugar a outras. Mas haverá sempre uma identificação com os super-heróis”, garante Teresa Paixão, ciente de que o seu papel na estação pública passa, em parte, por saber escolher “aqueles que dão a vida e não os que a tiram”. José Navarro de Andrade concorda: “Os valores da animação mantêm-se, o que eu via com sete anos é o que a minha filha quer ver hoje.”

E se o SIC Kids aposta “nitidamente em crianças mais velhas” do que aquelas que vêem Noddy, Bob, o Construtor ou Teletubbies, a verdade é que “tem de ter sempre em conta as diferenças de públicos para lhes dar resposta”. É essa a tendência.

Segmentar para vencer

Os canais infanto-juvenis em geral, incluindo o Panda, Disney Channel, Nickelodeon e Cartoon Network, seguem uma lógica da segmentação. “A malha de penetração dos programas é mais fina, pensada em termos do género e faixa etária a que se destina”, refere Navarro de Andrade, vendo nisso um sinal “da tal aceleração” da actualidade.

“As nuances são diferentes, a sociedade muda, mas as séries acompanham-nas”, resume Teresa Paixão. E apesar de as crianças serem “muito mais maduras agora”, conforme acredita a directora do Canal Panda, Isabel Mimoso, “na hora de definir a programação o que mais conta para nós são os valores positivos como a família, a amizade, a imaginação e o de-senvolvimento social e intelectual”, assegura. Incontornáveis são também os princípios que regem os conteúdos do Nickelodeon. “Bonecos como o Spongebob, líder do canal, o Avatar, o Danny Phantom, a deslizar como um fantasma, ou o Jimmy Neutron, no seu foguetão de protões ionizados, são todos irreverentes, não violentos e inteligentes”, frisa o responsável pela programação do canal, José Pedro Carvalho. Apostando nos clássicos da Disney que encantam gerações (Dumbo ou Bambi), em filmes como As Crónicas de Narnia ou Mary Poppins e em programas de criatividade, também o Disney Channel (canal codificado do cabo) faz a apologia da alegria, da família e da magia.

“A variedade da oferta de entretenimento infantil tem crescido muito. E as crianças só têm a ganhar com a diversidade dos vários canais, visto que podem optar e compor elas mesmas a sua grelha de programação”, reitera José Pedro Carvalho, dando voz aos outros coordenadores (público e privados). “Acho que realmente existe uma complementaridade entre os canais infantis”, apoia Isabel Mimoso, reconhecendo o público jovem como o mais difícil, por ser “curioso e ávido” de novidades. E, no fundo, “cada canal encontra o seu espaço.”

Dn.pt  http://dn.sapo.pt/2006/12/17/tema/criancas_identificamse_os_superheroi.html 
Bom exemplo pelo tema, questões que coloca, lados que ouve, citações escolhidas, organização de ideias.

Ana Jerónimo

Advertisements

3 Responses to “Palmas para o Noddy”


  1. 1 HoneyWitch Dezembro 19, 2006 às 10:12 am

    Adorei o artigo…e de facto a influência que figuras como o Noddy têm em crianças de diferentes idades é notável. Lamento que hoje em dia a televisão seja mais companhia para as crianças que os próprios pais…

    o blog está fantástico, parabéns.

  2. 2 vera Fevereiro 26, 2007 às 11:06 pm

    eu quero ver imagens do noddy

  3. 3 alexandra Dezembro 2, 2007 às 4:08 pm

    eu axo que o noddy e um grande pedofil so que que as crianças compreim coisas dele mas eu nao gosto do nody.ele e do diabo e eu so de jejus e se eu so de jejus nao posso nao quero nao devo gostar do noddy.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s





%d bloggers like this: